Viagem insólita

assin-adauto-neves

 

 

 

 

(Suzano – SP)

Inverno de 2016 (expchaeriências extra corporal)

Madrugada de sexta feira recolhi me em minha cama e como estava frio coloquei dois cobertores e logo peguei no sono.

De repente senti me fora de casa, fora de meu corpo e num lugar distante, sombrio e pude logo enxergar duas meninas de pouco mais de 10 anos. Ambas estendiam os braços pedindo por ajuda.

Avancei me um pouco à frente tentado me aproximar mais das duas crianças mas um frio imenso tomava conta de meu corpo e nisso me vi de volta à minha cama, a minha casa.

Enrolei me novamente nos dois cobertores e logo me aqueci novamente e em pouco tempo me vi naquele lugar com as duas meninas me estendendo as mãos e pedindo por ajuda.

Senti me fragilizado … mas tentava a todo custo descobrir o que queriam para poder ajudá-las, em vão!

O frio aumentava e sentia estar regressando ao meu quarto, … antes porém uma senhora me estendeu as mãos oferecendo me uma xícara de chá para eu tomar.

Fui de imediato estendendo meu braço e tentei pegar a xícara mas minhas mãos ultrapassava por através dela e por mais que tentava nada acontecia.

Frustado deparei-me novamente detido em minha cama quando meus dedos tocaram na parede ao tentar pegar o chá.

Assim, três idas a este lugar se sucederam e por duas vezes me foi oferecido o chá e em vão escapou-se de minhas mãos.

Era como se minhas mãos atravessassem o pires e a xícara que me era oferecido por aquela senhora.

Dela me recordo apenas que se apresentava sempre numa penumbra. Uma tênues silhueta me recordo enquanto as crianças se apresentavam naturalmente.

De certa forma depois de tudo voltei, situei me em minha cama com uma bela sensação de ter de uma forma ou de outra ajudado aquelas crianças.

Ficou aquela sensação de paz e cumprimento de meu dever apenas o chá ficou apenas na lembrança, não pude trazer o gosto e nem o aroma do mesmo.

3 comentários em “Viagem insólita

  1. Em tempo.
    Não estava aparecendo o texto completo, agora eu visualizei.
    Desconsidera no comentário anterior quando disse que não aparecia todo o texto.
    Adauto

  2. Obrigado Flávio, realmente você está certo.
    Todos nós a noite nos aventuramos por aí fora do corpo, dai o sonho! Mas realmente maioria de nós se esquece, muitas vezes ficando apenas uma leve sensação….
    Sonhos lúcidos, importantes…bom anotar para poder depois interpreta los.
    Pena que não foi reproduzido todo o texto, não sei, deve ter ultrapassado o limite de palavras…mas tem mais coisas deste sonho.
    Abraços e obrigado pelo. Comentário.

  3. Amigo escritor. Algumas vêzes temos sonhos agitados e quase sempre nos sentimos oprimidos nessas situações. E sempre ou quase sempre após alguns momentos acordados não mais lembramos da situação. Mas você conseguiu trazer para o escrito, muito bem explanado, um sonho que os comuns perderiam para o esquecimento. E nós, atentos leitores sentimos o aroma do chá, contrariando o final, pois jamais se perdeu! Parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *