Vestida de Passarinhos

passarinhos

Misa Ferreira

(Itajubá – MG)

Ela estava encantada com o vestido de passarinhos. É verdade que mais parecia um vestido de menina, e talvez fosse exatamente por isso que ela se sentiu tão atraída pela roupa. Era um vestido vermelho pintado de passarinhos azuis e verdes, assim, dois a dois em cima de um galho e eram milhares de passarinhos. Como não se usa mais ir comprando assim de tudo o que se vê, ela segurou o impulso, afinal não precisava mais de nenhum vestido, ainda mais um vestido grande demais para seu tamanho. Mas ela gostou tanto dele que chegou a sonhar já vestida de passarinhos. Aí se decidiu e depois de decidido, foi acometida por uma sofreguidão intensa, uma urgência descabida, era preciso adquirir logo antes que alguém o comprasse. Foi desabalada para a loja, debaixo de um sol escaldante como se fosse salvar o planeta de uma terrível catástrofe. Finalmente ele estava em seus braços e ela o abraçou forte como se abraça um tesouro perdido e finalmente reencontrado. Agora a costureira espetava os alfinetes aqui e ali para apertar o vestido, e também tecia elogios para a estampa singela e original.

Foi exatamente naquele momento que ela sofreu um ataque fulminante de ternura. Voltada para o espelho, com o olhar perdido nos passarinhos, ela esboçou um sorriso gostoso e sem pensar, sem compreender, mas com o coração transbordando de amor, falou mais para si do que para a outra: “se minha mãe estivesse viva, ela ia gostar muito desse vestido de passarinhos”. Imediatamente estranhou a própria fala, pois não havia ensaiado e nem pensado nessa frase. Era como se tivesse sido outra pessoa a falar e não ela, pois no momento, ela própria estava transportada para outro mundo ou outra vida, tanto fazia. Foi algo que saiu do âmago de sua alma. Aquela fala atravessou o tempo, idades, vidas, mundos, e saiu como alguém que ressuscita ou que nasce ou como alguém que está em completa paz. Aquela voz era dela e não era. Talvez fosse um quase falar dormindo.

Naqueles pequenos momentos, ela se lembrou de uma vida inteira, lembrou-se da mãe que costurava cantando na velha máquina debaixo da janela do quarto do meio, lembrou-se de seu estojo de corte e costura, das réguas, tesouras, moldes, agulhas, linhas e retalhos espalhados pelo chão. Lembrou-se do riso das alegres aprendizes de costura. Daí foi direto para a copa da casa da infância, com a mesa de fórmica e as cadeiras coloridas, cada uma de uma cor. Viu os cachorros lá fora, o piso de pedras, viu a escada de madeira, os quartos. Viu pela janela da sala a enxurrada que descia com violência durante a chuva forte. Viu-se acompanhando a mãe à sacristia da igreja para trocar as flores do altar. Tudo isso em poucos minutos, enquanto a costureira a prendia em milhares de alfinetes no vestido repleto de passarinhos. Ela admirou-se de como a vida podia caber em apenas alguns minutos. O vestido era grande demais para ela.

Seus olhos ameaçaram transbordar as lágrimas. Ela fungou constrangida. Contemplou o vestido e achou-o lindo. Contemplou a vida e achou-a triste e bela. A costureira acabara de espetar o último alfinete.

One thought to “Vestida de Passarinhos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *