O Zepelim Azul

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(Orlando – FL – USA)

 

 

Era um lindo zepelim azul, tendo como fundo, o outro azul infinito do céu. No começo, ninguém percebeu. Era uma cor em cima da mesma cor, quase não dava para notar. Aos poucos, porém, aquela visão fantástica chegou tão perto que a palavra se espalhou. E vieram crianças, e vieram adultos, casados, solteiros, e por casar. Padre, prefeito, vereadores e tudo mais. Gente que nunca saía, saiu. Todos, boquiabertos, olhando para cima. E aquele dirigível enorme foi chegando e baixando cada vez mais. Já quase tocava a torre da igreja, da cidade o ponto mais alto. Suspiros, gritos de exclamação. Havia cestas de vime penduradas, como aquelas que se penduram nos balões de ar quente. E como aquele gigante voador era da mesma cor do firmamento, as cestinhas pareciam flutuar, sozinhas, mágicas, no espaço. Dentro delas, pessoas certamente nobres. Pareciam reis e príncipes e assim se vestiam. Monárquicas vestimentas, vermelhas, verde e azuis cobriam seus corpos. Lantejoulas. Gala total. Barbas reais e bigodes cobriam seus rostos. Véus sutis cobriam das madames os rostos, e penas, raras e caras, saíam de seus chapéus. E a real caravana, acenava, orgulhosa, benigna e condescendente, lá do alto. O prefeito fazia sinais mostrando o ideal lugar para se pousar. No chão, se apresentaria como o regente local, se ajoelharia e, do supremo monarca, as mãos beijaria. De repente, porém, o dirigível começou, novamente a se mover. Foi, devagar, se afastando, sem o chão tocar. Ainda, ao longe, as figuras reais, acenavam, fascinantes, com um distante sorriso no vazio do ar. Aquele ponto azul foi diminuindo, diminuindo. Finalmente sumiu no anil estúpido do horizonte.

As esperanças, doces e tênues, esmoreceram. No peito daquela gente sofrida, o vazio, que já era grande, aumentou. Naquele dia de sol infinito, o zepelim malvado tinha sido apenas uma vã esperança, um sonho desnecessário, quase um engodo. Toda aquela gente perdeu seu rei. O rei que nunca existiu…

One thought to “O Zepelim Azul”

  1. Acho que o conto é uma metáfora sobre a situação política brasileira atual. O Zepelim azul como o céu, seria o governo de onde deveria emanar justiça social, ações para melhorar a vida do pobre, do desempregado, do sem-teto. Os nobres seriam os políticos, suas belas roupas seriam as promessas de campanha, que a maioria delas não são cumpridas. Eles chegam ao poder como que vão realizar os sonhos do povos, que os aplaude e os elege como governantes, mas no fim eles acenam com as promessas, mas logo se afastam e some no cenário, carregando a esperança do povo. Bem, deve ter outro significado, mas o que pensei foi isso. Aliás, um conto bem escrito, uma boa ideia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *