O Colecionador

 

 

 

 

(Itabi – SE)

Estou perdida, estou presa no labirinto de seu corpo, de seus olhos, de seu sorriso. Mostra-me a saída, por favor. Por que fazes isto comigo? Você é tão cruel, irá me deixar morrer, sedenta e faminta de seu amor. O quão prazeroso isto é para ti, me ver definhar, implorar por libertação. Saia da minha cabeça! Um criminoso frio, calculista, que entra sem pedir licença, que escolhe sua vítima pela fragilidade. Mas, por que eu? Entrou como uma brisa suave, saiu como uma tormenta, destruiu todo o meu interior, deixou em cacos meu espírito e meu coração. Quanta audácia de sua parte, brincar com sentimentos alheios. Mas não irei negar, foi bom. Suas mãos em meu corpo, seus lábios nos meus, eram como a descoberta de um novo paraíso, no qual só existia nós dois. Você finge muito bem, suas juras, promessas e poemas de que você era só meu, conseguiram despir-me. Eu era sua, por inteiro. E agora, mais do que nunca, quero fugir, apaziguar a minha dor, esquecer que um dia eu fui apenas mais uma na sua prateleira de colecionar corações. Mas as lembranças dos desfastios em ter seu corpo grudado no meu, não serão tão fáceis de esquecer. O calor, a falta de ar, a vontade de Te quero mais, permanecerão intactas na minha mente. Com você, eu experimentei um outro, eu. Loucuras, diversão, felicidades, afloravam em mim. Pena que você não soube dar valor, preferiu um novo corpo, e deixou-me apenas com as memórias. Você se desprendeu de mim, mas eu continuo presa em você. Fazes isto de propósito, para me ter em suas mãos, basta um toque, uma piscada, um sorriso teu, que eu não hesitarei em te acalentar. Tu tens poder sobre mim, mesmo sabendo que eu não sou a única em tua vida, o fogo, a paixão que renasce em mim todas as vezes que me olha é mais forte do que eu. Liberte-me, por favor. As paredes deste labirinto são tão fracas, mas mesmo assim, vejo-me incapaz de derrubá-las. As minhas forças você levou embora quando saiu pela aquela porta, e junto com ela também levaste minha sensatez, minha dignidade, meu brilho nos olhos. Saia da minha cabeça! Eu não te pertenço mais, você não irá rasgar a minha pele, beber do meu sangue, sugar a minha vida. Estou percebendo que este jogo de quebrar almas, eu não sei jogar. Você é rude, supérfluo, não sabe lidar com o amor, pessoas deste calibre, merecem de mim, apenas, pena. Cometi o erro de te amar, de me entregar a você, agora eu te peço, encarecidamente, mostra-me a saída. Corta-me as entranhas, ser obrigada a esquecer você, mas se é para a minha integridade física e moral, eu o farei. Não te agradecerei pelos momentos bons que passamos, porque foram todos, mera ilusão. No futuro, quem sabe, você olhará para mim e verá a mulher forte que me tornei, e eu olharei para ti, com ar de inutilidade, e direi: “Eu não faço mais parte da sua coleção”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *