O Amor de Berenice

berenice2

 

 Vanderlei Antônio de Araujo

(Goiânia – GO)

Berenice era uma moça bonita, sonhadora, porém, tão tímida que aos vinte e cinco anos não tinha namorado. Do amor só ouvia falar. Sua timidez não a deixava mostrar seus sentimentos nem se entregar a um amor. Morava com os pais numa casa simples, porém, aconchegante. Certo dia, seu tio chegou da capital do estado em companhia de um rapaz. Falou que tinha um assunto importante para tratar com ela. Seu coração quase parou quando ele lhe disse que o rapaz viera para conhecê-la. Se gostassem um do outro poderiam se casar. Sobressaltou-se.

Embora o moço fosse diferente do que ela imaginou um dia, como marido, gostou dele. Sorrindo ele foi apresentado a ela, cumprimentando-a. logo, eles se acomodaram na sala. Agenor era o nome do rapaz. Berenice tentava recuperar-se da sensação perturbadora que lhe causou aquele encontro não marcado. Não conseguia acreditar no que estava acontecendo.

De repente, um sentimento diferente começou a brotar nela. Uma sensação de felicidade foi tomando conta de seu coração. Tudo a sua volta ficou mais colorido e mais bonito. Embora ele fosse um rapaz que morasse na capital, era um moço simples, e segundo seu tio, honesto e trabalhador. Um ótimo candidato para marido. Mesmo assim teve medo de que não desse certo. Não queria parecer uma moça fácil e assanhada, no entanto, não parava de sorrir, nervosamente, e enquanto conversava com ele, tentava esconder sua timidez. Ela gostou dele. Da calma, principalmente da calma, uma calma típica de quem sabia viver. Algumas horas após a apresentações, e já entrosados, pareciam velhos conhecidos.

Era dezembro e a proximidade do Natal deixava a cidade movimentada. Muitas luzes, brilho e cores davam às casas um ar de festa, especificamente, na sua, onde montaram um presépio. E foi neste ambiente festivo que Agenor, dizendo que gostaria de casar com ela, a pediu em casamento. Ele viera com a intenção de voltar casado. Berenice com o coração aos pulos disse que aceitava mas primeiro teriam que falar com os pais. Seus pais concordaram e então, acertaram o dia e a hora do casamento. Berenice, sorrindo, concordava com tudo. Casariam em três dias.

O enlace aconteceu na véspera de Natal. O dia amanheceu chovendo, mas não tirou o brilho da festa, que embora improvisada, foi muito bonita. Para animar os convidados foi contratada a banda da cidade. O pai vestiu-se com seu melhor terno para levá-la ao altar. Na saída da igreja ela estava feliz. Lembrava uma princesa dos contos de fadas ao lado de seu príncipe encantado. Como um presente de papai Noel, ele iria alegrar sua vida e fazê-la feliz para sempre, como naquelas histórias…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *