Dois Degraus Do Bistrô

 

 

 

 

(Salvador – BA)

As escadas, eram duas apenas…, eram grandes, largas e irregulares. Mas bem visíveis. As pessoas podiam vê-las de uma longa distância. Mas aquela moça gordinha não viu. Estava distraída e acabou tropeçando.

De seu corpo estirado, – metade entre os degraus, metade na calçada de pedra – escorria um filete de sangue escuro, quase roxo. Algumas pessoas se aproximaram e pararam em sua volta…

Uma senhora deu dois passos pra trás, para que o filete de sangue pudesse passar livremente, e também para que o mesmo não acabasse sujando suas sandálias, que eram brancas e recém lavadas.

O casal cochichava… perguntavam-se distraidamente, em meio a beijos e abraços, se ela estava mesmo morta, se tinha desmaiado, ou se queria apenas chamar atenção.

Um sujeito alto e muito magro, fumando um cigarro e muito bem vestido, se manteve afastado de tudo, encostado no muro do outro lado da rua onde havia outro restaurante. A garota do restaurante lhe ofereceu o cardápio, mas ele fez uma careta e ela acabou se afastando ofendida. O homem era médico, mas estava de férias, com muita preguiça, e não queria trabalhar dando socorro a ninguém… muito menos de graça.

Muito perto do corpo, a esquerda, a adolescente da cabelos longos, calça lascadas e excesso de atitude, tapava a boca com a mãos, apertando o rosto com força. Ela tentava parecer chocada com a situação, mas na verdade tinha uma terrível mania de gargalhar quando via pessoas caindo na rua. Afinal, acabou fingindo um ataque de choro, que na verdade era um ataque de riso.

A menina linda de cinco anos, filha dos donos do bistrô, largou-se dos braços da mãe e correu até o corpo.

A menina percebeu que as pernas davam pequenos espasmos. Ela olhou em volta e ninguém lhe impediu de pegar a cabeça da moça gordinha pelos cabelos e puxar, a fim de poder ver o seu rosto.

A mulher estava deformada, com a pele em torno da boca quase removida, envolta em sangue misturado com a areia do chão.

– Oi! – Disse a menina, sorrindo docemente.

O único olho que sobrara naquele rosto disforme, piscou duas vezes, como que tentando responder a gentileza da menininha. E o pouco de pele que ainda restava naquelas bochechas, se esticou, parecendo tentar sorrir.

A menina soltou bruscamente os cabelos da moça, fazendo com que a face batesse novamente com o rosto no chão, mas não com tanta força.

– Ela está viva?! – Perguntaram.

– Sim. – Respondeu a menina, sorrindo.

E então todos se afastaram e foram viver suas, enquanto a moça gordinha continuava com seus espasmos de dor, atrapalhando a passagem dos clientes no restaurante.

One thought to “Dois Degraus Do Bistrô”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *