O Dinossauro Escritor

assinatura-nuno 

 (Tubarão – SC)

 

maq-escreverEleutério (nome fictício) sentia-se diante de uma encruzilhada da vida.

Considerava-se realizado sob vários aspectos. Apesar da idade avançada, ainda gozava de boa saúde, mente lúcida, vida tranquila, família unida, apesar de alguns desentendimentos, vários amigos e admiradores, principalmente, porque seu nome fora imortalizado, no panteão da história literária local, desde que fora admitido como um dos acadêmicos ilustres da região. Paparicado e respeitado, gozava de muito prestígio. Apesar de tudo isso, que aos olhos da maioria representaria sucesso estrondoso, cultivava no íntimo um desassossego, que não tinha cara, perfil, definição ou identificação. Era apenas uma palpitação estranha no peito. (mais…)

Leia Mais

O Literato

 assinatura-nuno

 

 

 

(Tubarão – SC)

Ao regiindiastrar sua filha como Maria Anja de Conhém, o pai deixava claro que nunca dera fé na história de que anjos não tem sexo. O sobrenome deveria ser o mesmo que o seu: Silva, porém, detestava seu nome de família e achava que a pequena tinha de ser marcada pela maneira como veio ao mundo, ou seja, de conhém, de esgueio, nem bem sentada, nem virada, dando um trabalhão e quase matando a mãe no parto.

A pequena nascera com os olhinhos espichados, e no começo todos achavam que isso se devia ao trauma, na saída turbulenta do ventre da mãe; no entanto, com o passar do tempo, seus traços foram se acentuando e tomando um formato bem parecido ao do índio Grajaú, que se acoitara, durante um tempo, nas terras do pai, ajudando no roçado. Quando ficou claro que o silvícola, além de semear as terras, semeara também a mãe de Maria Anja, o pai, indignado, enjeitou a filha e a entregou a uns ciganos, que pela região passavam, a caminho da capital. (mais…)

Leia Mais