Desvanecer

assin-larissa-prado

 

 

 

 

(Goiânia – GO)

“Não recues! De mim não foi-se o espírito…  Em mim verás – pobre caveira fria – Único crânio que, ao invés dos vivos, Só derrama alegria. Vivi! amei! bebi qual tu: Na morte Arrancaram da terra os ossos meus. Não me insultes! empina-me!… que a larva Tem beijos mais sombrios do que os teus (…)” ( Lord Byron)

Quando abri a porta já coracaoera noite. Passei o dia todo sem ter a decência de subir as escadas para vê-la. Era insuportável para mim se quer fita-la em alguns dias, era incomensurável definir o que sentia a cada degrau que me levava para a atmosfera pestilenta do quarto em que ela repousava. Adelaide estava como sempre aninhada no centro da grande cama de casal, envolvida por tantos lençóis limpos que a empregada devota trocava dia após dias na tentativa de dar à patroa uma espera pela morte no mínimo higienizada, mas a morte não era limpa, você certificava-se disso à medida que Adelaide definhava sobre a cama. Eu passava horas apenas olhando-a da minha cadeira ao lado da cama que afastava cada dia mais para longe. (mais…)

Leia Mais

O Espelho

selo-destaque-nov_16larissa-prado

 

 

(Goiânia – Goiás)

Ele não tinha muito o quespelhoe dizer, permaneceu calado. O silêncio sempre representou uma espécie de refúgio mental, os pensamentos podiam fluir melhor. A terapeuta dava conselhos profissionais, mas ele não conseguia escutar apesar de manter-se olhando para ela sem enxerga-la. Era um rapaz gentil mesmo quando desinteressado no mundo à sua volta. Despediu-se da terapeuta e fez o trajeto de volta para casa através da praia. Não era necessariamente para ver o mar, e sim, para ouvi-lo. Seus olhos estavam acostumados a maré do fim de tarde, porém, ouvir as ondas parecia-lhe algo continuamente inédito. M sentou-se de frente para vastidão da praia em um banco de cimento, mergulhado no silêncio aquoso de sua mente onde o único pensamento que rodopiava era “o que acontece comigo?”. Sentia-se tão distante de si era como se seu corpo estivesse ali estático e sem vida enquanto a alma vagueava solta em alguma dimensão paralela, onde as ondas do mar poderiam alcançar seu rosto. (mais…)

Leia Mais