Memórias

 

 

 

 

 

(Pelotas – RS)

Veridiana é uma mulher de baixa estatura, franzina, comedida nos movimentos e nas palavras. Não é de grandes prosas, roda de amigas, riso solto. Ao contrário. Tudo nela é escasso, comedido, controlado.

É de um tempo em que mulher não se desnuda, não ri alto, não sai sozinha com homem, não desobedece ao pai, mãe, marido. Talvez por isso não casou. Não queria só mudar de dono. (mais…)

Leia Mais

Em Busca do Perdão da Mãe

 

 

 

 

(Pelotas – RS)

É muito difícil lidar com algumas situações, a de doenças em família é uma delas. Há quem não saiba enfrentar assim como há enfermidades difíceis de serem detectadas, ou difíceis de ser obtido um diagnóstico preciso. Antigamente quando as pessoas idosas apresentavam confusão mental era de imediato tida como esclerosada.

Aldrovando, ou Vandinho era separado e morava com a mãe. Não dava muita importância para o que dizia ser caduquice dela. Era muito festeiro e saía com frequência deixando a mãe sozinha em casa toda a noite. Não sabia o quanto isso a perturbava. (mais…)

Leia Mais

Sob as Asas do Amor

 

 

 

 

 

(Pelotas – RS)

Jerusa fora uma criança carente de afetos. Família nuclear. Sem avós, pois moravam em outro estado. O pai viera tentar a sorte na cidade grande. Trabalhavam ambos, o pai e a mãe. Até entrar no colégio criou-se em creches. Nada contra as instituições em si, porém é sabido que nas creches públicas o número de atendentes, geralmente, é menor que o necessário para o número de crianças. A sensação que ela sempre teve era de fragilidade. Almejava proteção. Aos dez anos, ansiava crescer para se sentir mais forte, com menos medos porque o tempo havia passado e já estava na escola regular. (mais…)

Leia Mais

Segredo Bem Guardado

assin-isabel-c-s-vargas

 

 

 

 

(Pelotas – RS)

Terezinha era solteira. Os vizinhos a chamavam de Balzaquiana devido à idade. Isto lá na década de sessenta. Nunca tivera namorado. Não era uma pessoa que se destacasse pela beleza física. Era de pouco sorriso, tímida e muito severa. Os familiares atribuíam sua falta de bom humor ao fato de ser a única da família que ainda não havia casado.

Certa ocasião chegou a sua casa uma carta, vindo de outro estado. Isto aguçou a curiosidade de seus genitores. Como ela estava recebendo carta de outro estado se não tinha amigos lá, suas amigas eram as primas e umas duas outras companheiras com as quais ela ia ao cinema. Sua diversão era ir ao cinema e ler revistas e romances. Outra curiosidade era que a carta não indicava o nome do remetente. (mais…)

Leia Mais