Reparação

 

 

 

 

(São Paulo – SP)

Sempre torcia o nariz quando ouvia que “A vida imita a arte muito mais do que a arte imita a vida.” Não que algum dia Oscar Wilde me tivesse aborrecido… É que, na verdade, nunca achei um exemplo que se amoldasse às suas palavras e me satisfizesse.

Mas os anos sucedem-se, e, coisa fantástica! não é que me vejo como uma luva, assentando-me àquela afirmação? (mais…)

Leia Mais

Bastava Pedir

 

 

 

 

 

(São Paulo – SP)

Quando Patrícia contava oito anos de idade, seu desenho favorito era interrompido por uma propaganda em que um idoso muito simpático presenteava a esposa com uma linda rosa vermelha. Essa cena, agradável aos olhos, corriqueira entre os que se gostam, deitou no coração infantil a semente de um desejo – ganharia de seu príncipe a mais linda das rosas. (mais…)

Leia Mais

Um Conto (diferente) de Natal

assin-dias-campos

 

 

 

 

(São Paulo – SP)

noelComo sucedia todos os anos, Consumereville fervilhava à espera do Natal. Não havia, assim, um só recanto que não tivesse sido decorado com esmero, fosse com luzes cintilantes, com enfeites primorosos, ou com gravuras do Bom Velhinho.

Seus habitantes seguiam rigorosamente as tradições. Assim, os corais encantavam nas calçadas, as árvores enfeitadas embelezavam as salas das residências, as meias coloridas já estavam penduradas nas lareiras, e as cartinhas rabiscadas pelas crianças já haviam sido enviadas para Papai Noel. E como sempre nevasse, as crianças brincavam de trenó, construíam bonecos e batalhavam com bolas improvisadas.

No entanto, algo de muito estranho estava prestes a acontecer… (mais…)

Leia Mais

Inversão de Papéis

conto-maq-escrev assin-dias-campos

 

 

 

 (São Paulo – SP)

 

chafarizQuando o Coronel Ermenegildo de Castro leu a notícia de que a oposição iria impedi-lo de inaugurar o tão sonhado chafariz na praça central, amassou furioso o Correio Matutino, desfiou um rosário de vitupérios e arremessou o copo de cachaça contra a parede. Afinal, ponderava, o fato de ter mandado incrustrar-lhe a própria efígie em nada arranhava a honradez de sua administração. Esse mimo, pagara-o do seu bolso, num ato de extremo desprendimento. Que mal haveria então?

– Foliculário! – chamava-o o autor do artigo, seu arqui-inimigo – Nem a imprensa nem a Justiça me amedrontam. O cronograma será mantido, e ai daquele que tentar me atrapalhar! (mais…)

Leia Mais