Aninha e os Insetos

 

 

 

 

(Santo Estevão – BA)

Na janela do quarto de Aninha sempre ficava um vasinho de planta que desabrochava lindas flores amarelas, um dia enquanto regava olha que surge uma linda joaninha, mas essa era diferente de todas as outras que viviam lá embaixo no jardim.

– Mas de onde veio essa pequenina joaninha tão frágil não conseguiria voar tão alto- Pensou Aninha admirando aquele insetos tão pequenino e lindo com suas bolinhas pretas no corpinho vermelho.

E assim ela passou a observar, a pobrezinha não saia do lugar, a tarde depois que chegou da escola foi correndo olhar se ela tinha se movimentado, continuava imóvel, a menina chegou pertinho tocou de leve com seus dedos finos e delicados a joaninha nem deu sinal.

-Pequena e linda joaninha, parece-me tristinha, nem abre suas asinhas, Perguntou a menina achando que a joaninha iria lhe responder.

A joaninha permanecia quieta apenas as suas antenas se moveram por um segundo o que deixou Aninha feliz pois sabia que estava viva, com certeza era muito preguiçosa dormia durante o dia e só se movimentava a noite enquanto ela dormia.

Por um tempo ficou ali observando, quando aparece uma formiga se aproximando da joaninha, Aninha correu para retirar achando que a formiga iria fazer mal a pobre da joaninha tão indefesa. Quando se assustou a ouvir a voz fininha da formiga;

– O que houve amiga Joaninha? Você é tão linda e está tão triste. Diga! Diga! Indagou a formiga.

– Eu não sei voar, nem consigo sair do lugar, ando apenas um pouquinho e leva dias para sair do lugar. Estou triste sim, pois sei que quando essa plantinha morrer eu morrerei também, não terei mais onde viver e nem o que comer. Disse a joaninha.

Aninha em sua inocência de criança ouvia tudo encantada com a sua sensibilidade de poder entender a linguagem dos pequenos insetos. Com certeza se falasse ninguém iria acreditar. Então esse seria o seu segredo.

– Minha pequena joaninha não fique triste, irei cuidar de você, disse Aninha deixando a formiga de antenas empinadas. Vou pedir a mamãe outros vasinhos de planta assim faço aqui um lindo jardim onde você possa viver bem feliz. Concluiu a menina.

E assim fez, na manha seguinte novos vasinhos enfeitavam a janela do quarto de Aninha deixando a joaninha toda contente, assim poderia passear de uma para o outro.

Todos os dias a formiga chegava cedinho para conversar com a joaninha que já se sentia bem mais feliz por não se sentir tão sozinha.

Assim as duas passavam as tardes conversando e esquecem de que não passam de dois insetos e deveriam se comportar como inseto e não como gente.

Aninha chegava e sorria com a conversa das duas.

– Menina Aninha, como fica ai perdendo tempo falando com dois insetinhos minúsculos? Perguntou a formiga sempre de antenas empinadas.

– Eu gosto das duas, agora são as minhas amiguinhas disse Aninha sorrindo, sempre irei cuidar para não lhes fazerem mal. Apesar de você dona formiga ficar picotando as folhinhas da minha plantinha. Concluiu a menina com meiguice na voz.

A formiga colocou as patinhas na cara- Eu juro só faço isso por necessidade ou picoto as folhas ou morro de fome,

Aninha pensou, pensou, tentando encontrar respostas quando a joaninha disse:

– Tenho uma solução, a menina Aninha coloca aqui folhas novas todos os dias assim eu e minha amiga podemos nos fartar e não mais picotar as folhas das plantinhas.

Aninha adorou a ideia, assim todas as manhãs antes de sair para a escola corria até o jardim pegava folhas frescas e forrava os vasinhos, as duas passaram a se alimentarem dessas folhas e nunca mais picotaram as suas plantinha.

Chegou as férias e Aninha iria viajar com seus pais, estava triste sem saber como dar a noticia as duas amiguinhas e o quanto estava preocupada em deixa-las sozinhas.

Teria que falar e foi avisar da sua decisão, iria leva-las para o jardim, assim poderiam encontrar outras amigas e viverem felizes até que ela voltasse ai poderiam retornar para os vasinhos.

Ao receber a noticia a formiga e a joaninha se olharam e logo concordaram que seria melhor, uma vez que nunca conheceram o mundo lá fora.

Assim no dia da viagem bem cedinho Aninha cuidadosamente colocou as duas em uma caixinha e foi até o jardim colocando-as numa roseira toda florida. A joaninha empinou as antenas abriu as asinhas e saiu voando, voando feliz com o sabor da liberdade.

A formiga gritou: Ela está voando. Ela conseguiu voar! Viva! Viva!

E começou a cantarolar:

Quando você

Encontrar um insetinho

Assim tristinho

Cuide bem dele

Com amor e carinho

Vejam a felicidade

Da pequena joaninha

Encontrou a liberdade

Pelo amor

Da menina Aninha…

A menina sorria de tanta felicidade, agora tinha certeza de que as duas amiguinhas estariam bem melhor que prisioneiras de alguns vasinhos de planta lá nas alturas. Iria sentir saudades e sabia que quando voltasse não as encontraria mais, com certeza já teriam outras amigas insetos,

Mas de uma coisa tinha certeza, libertou as duas de uma vida restrita para a liberdade de um enorme jardim.

3 thoughts to “Aninha e os Insetos”

  1. Que legal Aninha!
    Isso mesmo os insetos, todos são nossos irmãozinhos menores e não devemos maltrata-los. Todos tem seu papel na natureza! Que belo exemplo.
    Gostei do texto, parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *