A Vida Em Um Jardim

 

 

 

 

(Santo Estevão – BA)

Muito curiosa Maria queria entender como era a vida em um jardim, não o movimento do vai e vem do dia, mas a vida observada e sentida pelos sons.

E assim, numa tardezinha Maria se sentou num banquinho, fechou os olhos e começou a viver aquele momento de vida.

O ruído suave do vento nas folhas combinava com o canto de um sabiá escondido entre as plantas, o zumbido das abelhas apressadas voltando para suas colmeias depois de colher o néctar, as vespas e marimbondos se assanhando em volta de frutas maduras. O som estridente das cigarras convidando a noite para se apressar, o assanhamento de um bem-te-vi que se exibia fofocando…

A cada segundo Maria ficava mais encantada. Depois de quase uma hora decidiu abrir os olhos, era hora de observar uma roseira com as suas folhas picotadas sendo carregada por um batalhão de formigas que seguiam na trilha até o enorme formigueiro que crescia do outro lado do jardim.

Na laranjeira aranhas ocupadas teciam fios de seda para construírem as suas teias onde capturava suas presas. Um mosquitinho despercebido acabava de ser capturado.

Logo começa a chegar a busca de agasalho corujinhas, pardais, tico-tico e outros tantos fazendo a maior algazarra. No alto o João de Barro exibia-se na porta da sua casinha de barro.

Assim aproximava-se a noite e chegam os habitantes noturnos difíceis de serem vistos a luz do sol. É o caso dos caracóis e das lesmas.

Caminhar a noite com uma lanterna por um jardim é uma experiência interessante, podemos encontrar um mundo praticamente novo e desconhecido.

Os sons, os habitantes e seus hábitos, as mariposas, pernilongos, vagalumes e grilos com seu canto estridente formam um cenário belíssimo de ser visto e apreciado.

Podemos até encontrar uma aranha remendando a sua teia que foi rompida pelos insetos capturados.

Assim é a vida de um jardim observada pela menina Maria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *