A Tevê Ligada

 

 

 

(São Paulo – SP)

Clara, 88 anos está perto de morrer, mas há uma tevê ligada em seu quarto no hospital e ela ouve falar do novo creme dental que combate as bactérias que provocam cáries e mau hálito e ouve também sobre um grande lançamento imobiliário, perto dos locais importantes para o espectador. “Compre este lindo apartamento e os primeiros clientes, ainda neste fim de semana, ganharão um novíssimo ar condicionado!”

Clara chega a pensar, antes de morrer, na suíte deste lançamento imobiliário e em um salão para festas com balões laranjas.

A tevê do quarto permanece ligada. Clara, 88 anos, solteira recebe a visita de dois sobrinhos adolescentes. Ela possui tantos irmãos e avisa aos dois jovens:

– Eu não quero briga na divisão dos meus bens

Os dois sobrinhos dizem antes de sair

– Ora , titia! Ninguém vai brigar… e a senhora não está morrendo.

Clara sabe estar nas últimas. Somente uma mulher temente a Deus pode compreender isto: ela vai morrer… mas não desligam a tevê do seu quarto de hospital e dali vem a oferta ouro das Casas Pernambucanas:

“Hoje como oferta uma impressora multifuncional 3 em 1 sem entrada!”

Diante da oferta, Clara, 88 anos, que também se sente multifuncional, sem entrada, queria oferecer pra quem quisesse, a grande peça da sua vida: o grande amor de sua vida. Foi o Armando.

Armando casou com a prima de Clara, Elizeth. Ela era dez anos mais velha do que ele. Soube enganar àquele homem direitinho por causa da sua aparência juvenil e ainda assim era mais velha do que todos ao redor! Doze anos mais velha do que ela, Clara! E Armando caiu na mentira e preferiu Elizeth. “A prima Elizeth, debaixo de alguma máscara ou certidão falsa, devia surgir todas os dias como a mais menina, a mais donzela das donzelas…”

Armando casou-se com Elizeth mais velha e ele soube do engano apenas quando a prima morreu, absolutamente debilitada pela idade avançada, pois o tempo não admite camuflagens.

Ah, o tempo pode admitir outras camuflagens… um vestuário moderno anunciado agora na tevê:

“E ainda este lindo vestido importado, de alta qualidade, com entrega em todo país!”

O vestido pode ser adequado para cobrir Clara, agasalhar o seu corpo, aprontá-la para a hora final.

Clara lembra outro detalhe, Armando também preferiu ficar com sua prima porque desconfiou que ela, Clara, tenha feito o aborto…desconsiderando o breve encontro de amor entre os dois.

Naquele dia Clara avisou Armando sobre a possível gravidez e não queria filhos, pois pensava estudar medicina no Rio de Janeiro e filhos atrapalham a carreira.

Os dois discutiram, Clara ameaçou e… no fim, foi somente um atraso de três meses em seu ciclo menstrual. Não houve gravidez.

Ela nem poderia saber direito de gravidez. Não existiam testes de farmácia… mas talvez não precisasse ter se mostrado tão independente do homem da sua vida. No distante ano de 1956, não precisava ter fincado o pé na separação.

Clara sofre com o câncer. Já passou por três operações (aqueles meses de atraso menstrual já eram o câncer).

Ouviu os médicos repetirem, ela pode entrar em coma a qualquer momento… Não antes de saber pela tevê ligada em seu quarto:

“Vamos ver nesta matéria a revista “Cozinhas do Mundo” deste mês. Mostraremos o que a Índia vai colocar em sua casa: ervas, especiarias, espiritualidade e sabor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *