Juca e os Sapatos

assin-ira

 

 

 

 

 

(Santo Estevão – BA)

Era o últimsapato-jucao dia de aula do ano. Como de costume, acontecia a festinha de natal onde os comerciantes da cidadezinha contribuíam com presentinhos para as crianças do vilarejo e cada pessoa escolhia uma criança para receber o presente das mãos de Papai Noel.

Juca estava no primeiro ano na escola e como nunca havia ganhado presentes, ao ouvir seu nome e o Papai Noel segurando um embrulho o menino arregalou os olhinhos, olhou para todos sem entender, pois não seria ele o menino que estava sendo chamado? Mas era ele mesmo a professora olhou e disse:

-Vamos Juca é você mesmo levante-se e vá receber seu presente.

-O menino correu com seu corpinho franzino, abraçou o seu presente todo embrulhado em papel vermelho com laçarote azul. Nem ficou mais na festinha, saiu em disparada em direção a sua casa. Descia a estradinha de terra correndo como um raio parecendo ter medo que tomassem seu presente de volta.

Ofegante entrou na casa gritando: Mãe, irmãos, pai olhe eu vi Papai Noel e ele chamou meu nome e me deu esse presente. Olhem! Vejam!

Todos correram para a porta, sentaram no batente e juntos abriram a caixa. Os olhos do menino brilharam como se fossem vagalumes saltitando do seu rostinho inocente. Ali dentro tinha o mais valioso dos presentes que o menino sonhava em um dia ganhar, mesmo que fosse velhinho. Era um par de sapatos pretos com cadarços. Pensou: será que meu pé vai gostar de ficar aqui dentro sufocado?

Mas a alegria era tanta que não tinha tempo para falar nada apenas enfiando seu pé magrinho dentro do sapato pela primeira vez. Com seus pés calçados com sapatos novinhos e macios, Juca corria parecendo flutuar, enquanto a família ria de ver a alegria e o contentamento do pequeno menino. Os pais, por serem muito pobres sabiam que nunca teriam dinheiro para dar um par de sapatos novos ao filho e Juca só tinha velhas alpercatas que recebiam em caridades na igrejinha.

O menino não tirava o sapato do pé, a mãe dizia: Juca assim vai gastar tanto que na noite do próximo natal ele vai estar velho e furado de tanto ficar andando por ai. Mas Juca nem ligava estava muito feliz em ver seus pezinhos calçados. O cheiro de couro novinho já não existia e todas as noites quando ia se deitar retirava os sapatos limpava com um pano limpo e enrolava como se o sapato fosse sentir frio.

2 comentários em “Juca e os Sapatos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *