Coisas de Doidos

        (Presidente Prudente – SP)   C.Gomes, homem que não admitia ser chamado pelo nome, apenas pelo sobrenome, senhor de meia idade, ventre avantajado e pouco cabelo, de acordo com a aparência normal de um endinheirado morador de uma pequena cidade mineira, convidou para uma visita à sua casa, Bartolo Carrapeta, como era conhecido o Bartolomeu naquela comunidade, visita essa que aconteceu numa manhã ensolarada de domingo.

Leia Mais

Segure Minhas Mãos

          (Belo Horizonte – MG) Posso até sentir um cheiro de margaridas. – As margaridas cheiram? Não sei, não acho, mas eu consigo sentir o cheiro delas porque, de olhos fechados, dá  para sentir qualquer coisa. A imobilidade é um motivo para fugir, para impelir-me para onde eu quiser. É suficiente um espasmo, uma pequena contração, geralmente nos músculos das pernas. Então me imagino andando e correndo e, finalmente, chegando naqueles alhures que você me indicou.

Leia Mais

A Morte de Adolfo Hitler

        (Vieira de Leiria – PT) A Europa continuava a ferro e fogo. Às ordens de Hitler, seis milhões e meio de judeus tinham sido assassinados. Outros dezanove milhões, militares e civis, tinham perdido a vida. Aquele homem representava o diabo na terra e graças a ele, o mundo estava num caos. Mas Hitler não estava ainda satisfeito. Enquanto existisse um judeu à face da terra, tudo faria para que essa raça de gente fosse aniquilada.

Leia Mais

A Crise

          Itabi – SE) O assento da cadeira torna-se extremamente desconfortável. Minha mente lança várias ideias num só instante, não sou capaz de raciocinar com clareza e lucidez, não compreendo o que a voz das pessoas que falam comigo diz, escuto-as, porém, não as entendo de forma plena. As mãos começam a suar e o desespero possui-me: ela voltou. Mais uma crise.

Leia Mais